FAQ

O que é a ABESE?

A ABESE (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança) é uma entidade representativa das empresas de sistemas eletrônicos de segurança de âmbito nacional, sem fins lucrativos e tem como finalidade orientar, promover, apoiar e divulgar as atividades de seus associados, representando-os publicamente, defendendo seus direitos e interesses. Fundada em 1995 por um grupo de empresários brasileiros, a ABESE surgiu pela necessidade cada vez maior das empresas se organizarem dentro do segmento. Na entidade, os empresários do setor encontram iniciativas que promovem a capacitação profissional, a valorização da qualidade e a regulamentação oficial do segmento.

Quantas empresas integram este setor? Indústrias? Comércio? Serviços?

No Brasil, existem mais de 12 mil empresas atuando no segmento de sistemas eletrônicos de segurança, que englobam: sistemas de alarmes, circuitos fechados de TV, controle de acesso, portas e portões automáticos, proteção perimetral, equipamentos de combate a incêndio, detecção de metais e explosivos, portas giratórias e eclusas, dispositivos de identificação por biometria, rastreamento de veículos e seres vivos. Deste total, 49% são revendedores e instaladores, 30% monitoradores e integradores, 12% distribuidores e 9% fabricantes.

Quem são os principais consumidores? Pessoas físicas ou jurídicas?

O mercado é pulverizado, mas a ABESE identifica que há uma divisão, ou seja, 50% dos consumidores são formados por comércio em geral e outros 50%, são residências e condomínios. No total, a entidade estima que haja cerca de 710 mil imóveis monitorados por sistemas eletrônicos de segurança no País.

Neste setor, quantas pessoas estão empregadas diretamente e indiretamente?

A segurança eletrônica atua no setor de equipamentos eletrônicos de segurança e agrega as empresas fabricantes e que prestam serviço de monitoramento e manutenção, além de outras atividades, exclusivamente ligadas aos sistemas eletrônicos de segurança. O Projeto de Lei 1759/2007 que regulamentará as empresas de sistemas eletrônicos de segurança posicionará legalmente a segurança eletrônica como atividade complementar à atuação das forças de segurança públicas e privadas. Define o texto do PL 1759 que a instalação de equipamentos, como alarmes monitorados, câmeras de vigilância, sistemas de controle de acesso, de detecção de incêndio e outros, são de atividade exclusiva de empresas do segmento. Do mesmo modo, as atividades complementares de manutenção, assistência técnica, monitoramento e inspeção técnica de sinais de equipamentos eletrônicos e rastreamento de pessoas e bens móveis. As empresas que atuam na área de vigilância, em geral, são especializadas em segurança/vigilância, física e patrimonial.

Quais as principais ações da Abese para proteger ou desenvolver o setor?

A ABESE teve seu trabalho pautado nos últimos anos na conquista de reconhecimento na sociedade da atividade das empresas que representa. Uma das principais ações foi o projeto de lei 1.759, que regulamenta o funcionamento das empresas de sistemas eletrônicos de segurança. A ABESE avançou muito na representação do setor, dissociando-o da segurança privada, e é reconhecida nas discussões de interesse do setor. A ABESE também se esforçou para ampliar consideravelmente sua importância junto a outras entidades e se tornar mais conhecida internacionalmente, por meio de contatos com associações da Argentina, Alemanha, Espanha e China para trocar informações e estreitar relacionamentos. Agora, trabalhamos para ser um grande e completo clube de benefícios e capacitação para nossos associados, trabalhando continuamente para aumentar as iniciativas de benefícios e parcerias, e principalmente para focar no treinamento, capacitação e profissionalismo de nossos colaboradores.

Existem normas obrigatórias ou optativas para os produtos e serviços? Quais são?

A ausência de regulamentações específicas para a segurança eletrônica é uma das grandes barreiras ao desenvolvimento do setor. Por conta disso, a ABESE está promovendo discussões para criar normas técnicas para diversos segmentos. Além disso, a ABESE desenvolveu o Projeto de Lei 1759/07 que tramita na Câmara dos Deputados e regulamentará as empresas de segurança eletrônica.

O mercado informal existe concorrendo com o mercado formal? Tem idéia de percentual de um e de outro?

A ABESE representa as empresas legalmente instaladas e compromissadas com a qualidade dos seus produtos e serviços. O mercado informal existe e deve ser combatido pelas autoridades legais, mas não é mensurado pela entidade.

Existe uma concentração das empresas fornecedoras dentro do território nacional em cada uma das subdivisões da pergunta um?

Há empresas fornecedoras de sistemas eletrônicos de segurança espalhadas por todo o País. No entanto, como se tratam de produtos e serviços voltados para localidades densamente ocupadas, o mercado é mais concentrado nos grandes centros, como São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro.

Existe uma concentração das empresas fornecedoras dentro do território nacional em cada uma das subdivisões da pergunta um?

Há empresas fornecedoras de sistemas eletrônicos de segurança espalhadas por todo o País. No entanto, como se tratam de produtos e serviços voltados para localidades densamente ocupadas, o mercado é mais concentrado nos grandes centros, como São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás, Distrito Federal e Rio de Janeiro.

Quanto movimenta este mercado?

Em 2010, o setor movimentou a ordem de US$ 1,680 bilhões, com um crescimento de 12% em comparação ao ano anterior. Nos últimos nove anos, esse mercado vem crescendo com taxas médias de 13% anualmente

ABese